Header Ads

Image and video hosting by TinyPic

Sem repasse da verba do Proupe, AESA atrasa salários de professores e servidores

Em setembro de 2011, quando lançado pelo governo do Estado, o Programa Universidade para Todos em Pernambuco (Proupe) foi celebrado pelos diretores das 13 autarquias municipais de ensino superior. O financiamento de bolsas pelo Executivo estadual significava a garantia de recursos que tiraria as faculdades de uma crise pela qual vinham passando, com risco até de fecharem as portas.

Quase quatro anos depois, essas mesmas instituições sofrem agora com o atraso de dois meses no repasse das verbas do programa (maio e junho) e a indefinição de quando receberão a parcela de julho. Sem dinheiro, as autarquias estão sem pagar salários de professores e funcionários. Em Arcoverde, o não recebimento vem provocando atraso nos salários de professores e servidores da AESA, que ainda não receberam os salários de junho. Segundo o diretor do CESA, professor Franklin Freire, o atraso do PROUPE já chega a 3 meses, prejudicando a todos.

 “É um momento difícil e preocupante. Porque o atraso complica a organização administrativa das faculdades. O Proupe representa entre 25% e 70% da receita das autarquias. Há casos de professores e funcionários sem receber salários há dois meses”, destaca o presidente da Associação das Instituições de Ensino Superior de Pernambuco (Assiespe), Licínio Lustosa.

“O atraso está deixando diretores, empregados e docentes inquietos, com razão. Reconhecemos a crise financeira vivida pelo País e pelo Estado, mas o governador precisa ter um olhar diferenciado para as autarquias. O Proupe contribui para formação de professores”, complementa Licínio. As 13 autarquias pernambucanas somam, atualmente, cerca de 20 mil alunos.

 PAGAMENTO - A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectec) informa que pagará o mês de maio esta semana. O montante de junho será depositado até o dia 15 de agosto. Sobre o pagamento de julho, diz que está no prazo e promete efetuar o repasse neste mês. O atraso de dois meses se deu, conforme a Sectec, por causa “da mudança no cronograma de pagamentos visando melhor adequação ao fluxo de caixa do governo”. Em vez de trimestral, agora o repasse do Proupe é mensal.

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/

Nenhum comentário

Juliano Cesar. Tecnologia do Blogger.